Faça menos para fazê-lo melhor

Faça menos para fazê-lo melhor. Analise sua rotina, avalia suas atividades, deixa de lado aquela que não apresentar o retorno esperado. Ganha-se em qualidade

simplicidade

Um se foi equipando-se de gadgets, hábitos, técnicas e saberes para fazer face às suas responsabilidades, da melhor forma possível. No entanto, chega um momento em que um se dá conta de que muito do que carrega como bagagem é redundante e desnecessário. Em uma palavra, ruído. Podemos fazer menos e fazer melhor.

Eu não duvido da sua utilidade, mas você está a pensar em qual o impacto – positivo e negativo – tem tudo isso na sua rotina, na sua atividade, na sua qualidade de vida. Se fizer um balanço, como soma ou subtração?

Você Realmente é necessário?

Talvez o ponto mais importante. Você já parou para analisar as diferentes atividades que levar a cabo? Tudo o que você faz em relação a adequar sua atividade deve estar voltado a tirar um maior partido ou simplificar suas responsabilidades. Para não complicar a vida. Ou melhor, a ‘descomplicarla’.

Muitas vezes me tenho embarcado na aventura que acabaram em abandono. Há alguns anos, me pus mãos à obra para criar um repositório digital que me permitisse aceder a toda a minha informação desde os meus dispositivos (pc/Smartphone), por não falar de reduzir a quantidade de papel usado. Foi um sucesso em relação a material de projectos ou manuais que tinha puxado por casa, mas por outro lado me deitei com a tarefa periódica da digitalização de toda a documentação.

Me parece um exemplo perfeito pelo fato de que resultou: assumir uma série de responsabilidades adicionais sem ter em conta os prós e contras. Resultado: pois uma gaveta do meu arquivo permanentemente cheio de papel para passar pelo scanner, uma rotina criada no meu aplicativo de produtividade pessoal e um ruído de estática em forma de preocupação adicional devido a essa nova atividade a ter em conta, que não me levava a nada, pelo contrário, me tirava energia.

Eu continuo com essa torcida, mas eu não me incomodo a digitalização de documentação que, por razões legais ou formais tenho que manter em papel. E diga-se de passagem, eu deixei a tarefa de digitalização a terceiros, pedindo gentilmente que me enviem tudo em PDF. A digitalização fica em coisas muito pontuais.

Portanto, em vez de dedicar tempo e energia a uma questão menor, como ela poderia ter me dedicado a coisas realmente importantes, como, por exemplo, ao me formar, para melhorar a minha plataforma profissional na internet ou, simplesmente, para desfrutar de forma plena, o meu tempo de lazer. Ganhar tempo de qualidade.

Ladrões de sua qualidade de vida

Na verdade, eu roubava grande quantidade de tempo, mas pensa na grande quantidade de erros que cometemos cada dia. Outro tipo de deslizes que nos roubam a atenção são os da família digital. Ficar a comer com os amigos ou com o seu companheiro e um dos dois coloca a jogar com o seu Smartphone durante alguns minutos… São minutos perdidos que você poderia dedicar a outra pessoa. Se não…o que vocês ficaram?

Outro exemplo é a enorme dependência das telas, computador, jogos de vídeo, televisão…ficamos embobados em frente a uma plasma. A mim passa-me com o computador, estou ciente de que ao sentar-me em frente ao meu laptop em casa posso queimar horas ou tardes inteiras fazendo pouco ou nada. Passando o tempo. Por isso tento evitar colocá-lo em funcionamento de acordo com as horas. E se o faço, é com um temporizador de contagem regressiva ativado ao lado.

São pequenas questões presentes em nossa rotina que atuam como drenagem da qualidade de vida. Por cada um desses buracos se vai tempo e energia que poderia se transformar em algo valioso, algo que nos dá mais.

Consciência e controle

Dar-se conta de tal problema é difícil. Se quiser fazer isso, você deve começar por observar regularmente suas rotinas e ver o que é que lhe oferecem. Há que ser um pouco geek para ser fixada uma revisão periódica da sua forma de trabalhar, de suas áreas de responsabilidade, mas se não é assim, você acaba deixando de encadear por rotinas e obrigações que tu mesmo criaste.

Esse controle pode ser feito a cada 6 meses, por exemplo. No blog eu fiz enfatizar a utilidade de implementar um sistema de gestão de pessoal como Getting Things Done (GTD), uma de cujas vantagens é dar resposta a estas necessidades. O sistema define o conceito de área de responsabilidade e uma revisão para dar uma olhada ao estado das mesmas.

Para terminar, mencionar a necessidade de viver. VIVER em letras maiúsculas. O objetivo de controlar a sua actividade e filtrar aquilo que não te traz algo de notável tem que ser obter uma maior quantidade de tempo livre para poder convertê-lo em tempo de qualidade. Atividade profissional calado, atividade social e de lazer que lhe permita sair do ciclo da rotina ou, simplesmente, tempo para não fazer absolutamente nada com ele. Depende De você.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *