Este é o melhor livro de treinamento

Quinze anos e três livros foram necessários para que alguém decida apostar e editar um livro de Michael Boyle em português. A partir de 2012, quando…

Quinze anos e três livros foram necessários para que alguém decida apostar e editar um livro de Michael Boyle em português. A partir de 2012, quando comecei a escrever este blog, falei do autor, de seus livros, e nunca soube o que responder quando constantemente me pedir, por que não foi publicado em nosso idioma. O espanhol é a segunda língua do mundo em número de falantes, atrás apenas do Chinês Mandarim. Falam com domínio nativo 472 milhões de pessoas em todo o mundo. Além de Portugal, América central e américa do Sul, existe uma comunidade enorme de hispano-falantes nos EUA, o que não pareceu ser razão suficiente para que ninguém até à data se for decidido.

Por fim, Edições Tutor decidiu apostar e esperamos que continue assim. Nesta colina que, por fim, temos tomado não a podemos perder. Seja treinador, preparador físico, professor, praticar algum esporte, ou vir no exercício uma forma de usufruir de uma melhor qualidade de vida, não nos podemos permitir. É possível que haja quem ainda não o veja, mas isso é uma grande vitória para todo o coletivo, seja treinador, preparador físico ou simplesmente desfrutar com a atividade física.

Estas são as 7 razões pelas quais você já deveria ter comprado “O treinamento funcional aplicado aos esportes“, de Michael Boyle:

1.- Em nosso país, é comum que sejam os cientistas, pesquisadores ou professores de universidade que escrevam os livros sérios de treinamento que temos ao nosso alcance. Não são poucos os casos de alguém que se dedica profissionalmente ao treino e que escreva um livro sério destinado tanto para atletas como treinadores. Domingo Sánchez é um exemplo, mas pouco mais podemos encontrar em nossas livrarias. Mais complicado ainda é encontrar alguém que compartilhe sua experiência, a sua forma de trabalhar, e que, além disso, é fácil de entender e aplicar. Mais ainda se o treinador tiver atingido o máximo reconhecimento em vários esportes de natureza completamente diferente, utilizando uma filosofia comum de treinamento. Nos EUA é mais comum que editoras como a Human Kinetics apostem por formadores de reconhecido prestígio, com uma abordagem normalmente mais aplicável e fácil de entender, que os livros de índole académica. Do meu ponto de vista, os livros de Boyle se encontram no top desta categoria e, infelizmente, até a presente data não foi publicado em nosso idioma.

2.- Cada livro conta com um código de acesso a uma base de dados na internet onde você pode ver a execução de todos os exercícios que se menciona no livro. Só por isso, mas falta o resto de páginas do livro, já valeria a pena. Imagino que a partir de agora, algo começa a ser habitual, mas, o que está claro é que com a tecnologia atual, já não têm nenhum sentido os livros onde eles colocam as imagens do início e do final do exercício e você tem que imaginar o resto.

3.- “Functional Training for Sports”, foi lançado em 2004. “Advances in functional training” em 2011, e publicou, em 8 idiomas. Nenhum deles em Português. Acontece que o nosso idioma é o segundo mais falado do mundo, depois do chinês mandarim e as diferentes editoras consideraram que o mercado português não estava preparado para este tipo de livros. Paradoxalmente, se considerados aptos para o mercado português, italiano ou húngaro. Por alguma razão, desta vez sentiram que era o momento e não serei eu quem vai olhar os dentes do cavalo dado. O que tenho claro é que, se lhes vai bem a aposta também trazem livros de outros treinadores na mesma situação e continuam apostando quando Michael Boyle publicar o seguinte. Sinceramente eu acho que eles erraram considerando mais maduros os mercados italiano, português ou húngaro, e espero que possamos bruxa. Em PERFORMA momento, comprei 8 unidades, uma para cada treinador. Não como um presente, mas como um investimento.

4.- Em 1996 fundou a “Michael Boyle Strength and Conditioning”, uma das principais empresas de preparação física do mundo. Mas antes disso, foi durante 15 anos, o chefe de preparadores físicos da Universidade de Boston e os Boston Bruins. Só em 2013, ganhou a World Series de Beisebol dos Boston Red Sox e o mundial de Hóquei de gelo com a equipe nacional dos EUA. Com esse mesmo time conseguiu o Ouro nos Jogos Olímpicos de Nagano e Prata em Sochi. Nos últimos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro treinou os dois campeões dos EUA no Judô. Kayla Harrison e Travis Stevens ganharam ouro e prata, respectivamente. EUA levava de Atenas, em 2004, sem conseguir medalha no Judô masculino. Também Ali Raismin, capitã da equipe de ginástica dos EUA no Rio 2016, medalha de ouro por equipes e prata individual no chão.

Se nós analisarmos, temos três esportes de natureza completamente diferente, onde se obteve o máximo reconhecimento, tanto com homens como com mulheres. Treinados por um preparador que considera que não há tanta diferença entre a maioria dos esportes e que segue a mesma filosofia de treinamento em todos os casos. Agora imagine que, em vez de esconder esse conhecimento, como faria com qualquer empresa de alta tecnologia com patente, optar por compartilhá-lo e, além disso, de maneira tão simples que todos possam entendê-lo. Levou-o à procura da armadilha desde 2004 e ainda não a encontrei.

5.- Em uma entrevista a Michael Boyle treinador.é admite que, para ele, a formação é como uma casa, onde o conhecimento científico é a base, enquanto que a experiência faz o resto da casa. Estudam o trabalho dos cientistas e colocam em prática no mundo real. Assim funciona o conhecimento. Há quem conta com a experiência suficiente para criar novos sistemas de treinamento que aparentemente melhoram os resultados e, com o passar dos anos, o método científico acaba corroborando ou não a superioridade do sistema. Como treinadores ou atletas, podemos esperar que a ciência apoiando um determinado sistema ou tentar ir por diante. Neste último caso, é de vital importância escolher as nossas fontes para que não nos dão gato por lebre com modas e interesses que não se sustentam em pé com o pouco que rasques. Neste ponto Michael Boyle é uma aposta segura ou, ao menos, o mais seguro do que se pode ser.

6.- Em várias ocasiões, o ginásio de Michael Boyle perto de Boston foi eleito pela revista Mens Health-se como o melhor dos EUA. Ele não só treinam atletas profissionais do mais alto nível, mas gente comum que quer ficar em boas mãos. Quando cabria esperar que o escolhido fosse uma grande multinacional com presença nas principais cidades, centenas de máquinas de última geração e aulas coletivas, eles escolheram um centro de fitness conta com uma nave industrial intensa, ruas de relva, bolas, paredes de concreto e máquinas básicas, mas muito útil, onde o saber fazer é marca a diferença. Por algo será.

7.- No momento em que escreveu este artigo para o livro de que falamos estava na primeira posição no Amazon na categoria “bem-Estar e vida saudável”, terceiro na geral ao lado das novelas de maior sucesso. Algo insólito que nunca havia passado em nosso país, com um livro de treinamento.

Eu tenho vindo a trabalhar como personal trainer em Valencia 17 anos. Há tanto que, quando comecei no principal ginásio da cidade me perguntaram o que era um treinador pessoal e não entendiam a razão por que alguém iria querer contratar algo assim, tendo incluído no preço o monitor de sala. Em todo esse tempo, poucas vezes tenho observado um maior consenso sobre a figura de um profissional de atividade física, seja técnico ou pesquisador. O único caso comparável, talvez, seja Mark Verstegen ou Eric Cressey. Gray Cook e seu conhecido Funcional Movement Screen (FMS) tem tantos defensores como detratores ou críticos. O mesmo acontece com Stuart McGill e a sua filosofia sobre o treinamento e cuidados com a coluna vertebral. Também com formadores de tamanho de Charles Poliquin ou grandes pesquisadores deste país cujos nomes evitaré mencionar para não encantar seus críticos e ganhar a ira de seus fãs.

O caso de Michael Boyle, juntamente com Verstegen ou Cressey é excepcional. Todos tem vários livros publicados e todos foram um sucesso, mas, por enquanto, apenas o mais recente de Michael Boyle foi publicado em nosso idioma. Espero que o sucesso seja tal que já não tenha marcha-atrás. O mercado português merece.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *