Eletro-estimulação. O que sabemos realmente? – O blog de fitness

Recentemente começaram a abrir em Portugal estabelecimentos que, à semelhança do que aconteceu com aqueles centros de vibroestimulación já quase extintos, prometem resultados superiores a…

Olá, não escrevo nunca em fóruns nem nada pelo estilo, mas esse assunto me toca de primeira mão. Eu falo a partir da experiência de anos utilizando este tipo de electroestimulação integral, fugindo das franquias e aspectos “marketinianos” que ofereça uma marca, uma franquia ou um treinador.

Em primeiro lugar, não posso comparar o tipo de estímulo que dispõe de um aparelho de vibroestimulación com o que você pode oferecer este colete de electroestimulação, e muito menos com a “famosa” pulseira, ou chinelos… Não acho que nada seja um acerto fazer este tipo de comparações, porque colocamos no mesmo nível, vários tipos de máquinas ou produtos com estímulos totalmente diferentes.
Antes de mais nada, o meu modo de trabalhar é sempre em combinação com outro tipo de estímulos ou de “treinamento tradicional”, seja de musculação, corrida, ciclismo, natação, AADD, e um longo etc…

É de todos sabido que a electroestimulação é lasca a ordem superior, ou como você diz no seu blog “construindo uma ponte sobre o sistema nervoso central”, porque chega diretamente à placa motora, mas SIM tem um feedback há cortex, já que nele são mapeadas todas as ações que estamos desenvolvendo, e por experiência posso dizer que abrindo previamente canais de comunicação, estabilizamos e controlamos as articulações que estamos trabalhando. Claro que há que fazer muito ênfase e educação do cliente na “intenção”, até mesmo permite-nos utilizar de uma forma muito simples, a resistência manual, a qual nos ajuda a isso. O colete de electroestimulação é uma ferramenta extremamente poderosa para estabilizar e fazer forte muitos dos músculos que movem e controlam uma articulação. A regulação da intensidade, se é muito díspar, mas também o é em um treinamento com pesos, você ou seus clientes sempre treinam a 80% de 1 RM?, você não vai, em função do seu objetivo e características individuais?, exatamente como acontece com a electroestimulação, temos que conhecer muito bem o nosso cliente e saber qual é a sua mínima intensidade que produza uma adaptação positiva.
Se há estudos que dizem que é “algo”, “alguma forma” não funciona, nós temos que encontrar a “forma” de que funcione. Acho muito curioso que critiques a amostra de um estudo por ser jogadores de ténis de mesa ou voleibol de o Que a sua anatomia e fisiologia é diferente de alguns jogadores de futebol?.

Kemmler, em 2009, diz que “em treinos de 45′ semanais de WB-EMS em um curto período de 14 semanas, há efeitos significativos sobre a composição corporal de idosos com síndrome metabólica, (…) assim, a WB-EMS pode ser uma alternativa adequada para os programas de treinamento”. O mesmo Kemmler, em outro estudo diz que” com este tipo de treinamento, a diferença correspondente com o GC acabou de ser significativa em parâmetros funcionais, como a força máxima e a velocidade”. Speicher, Ou em 2007, “o EMS integral foi a única forma de treinamento capaz de melhorar o máximo rendimento desportivo da velocidade de movimento, (…) estão abrindo novas possibilidades na periodização de treinamento”. Boeckh-Behrens, W-U, em 2002, diz que “o treinamento com EMS integral combate doenças de costas, uma condição muito comum, muito eficaz. (…), o treinamento EMS integral representa um treino muito eficaz, que economiza tempo e consegue efeitos positivos de saúde dada longo alcance.”

Eu tenho que dizer que não sou partidário de seguir muito os estudos científicos, porque pode perfeitamente estar patrocinado por marcas diferentes, que hoje digam que SIM funciona, e que amanhã digam que NÃO funciona, por simples interesse comercial. Eu sigo a minha práxis, eu ganho a vida com os meus clientes e meus clientes não me perguntam em que estudo científico diz que estamos trabalhando, que funciona, meus clientes estão em busca de RESULTADOS; a mulher mais velha que não termina um dia, sem que lhe doa tudo, busca o que não lhe doa. O corredor que quer melhorar suas marcas, quer correr mais rápido. O homem ou mulher que procura melhorar o seu aspecto físico, quero melhorá-lo, e posso garantir e demonstrar com dados objetivos baseados na práxis diária que este tipo de treinamento FUNCIONA.

Sobre o que se trabalha “sem impactos”, você tem razão em que não tem nenhum sentido. A realidade é que a resistência não vem dada por uma carga externa, como pode ser uma pesa, polia, etc…, o que você vê minimizada a carga inercial e gravitacional, que tem que sofrer as articulações envolvidas no movimento. Se a isto acrescentamos que uma contração do músculo ajuda para a proteção de uma articulação, e nossos músculos estão sendo assumidos de forma externa, nós podemos vir a suscitar, por exemplo, que uma mulher mais velha com uma variedade de dores, postoperaciones, etc.. podem chegar a fazer um agachamento sem nenhum tipo de medo, e minimizando a balança do risco versus benefício? Sem nenhum tipo de estudo científico que prove, eu posso dizer que SIM. Não existe queima de gordura localizada, mas sim uma mobilização de ácidos graxos como consequência de um aumento do fluxo sanguíneo localizado. E nenhum comentário sobre o que é “sem esforço” ou que “não trabalha”, nada mais longe da realidade.

Eduardo Sesso, sim puenteamos o sistema nervoso central em um primeiro momento, mas ele mapeia o que estamos fazendo, por isso que, ao final, até que ponto estamos construindo uma ponte sobre?. Se as sensações são desagradáveis, teremos que olhar para que tipo de impulso foi usado e com que a progressão. Como levantar pesos o primeiro dia é muito desagradável se não tenho levantado pesos na minha vida, mas se eu explicar bem, com uma certa progressão de exercícios e pesos, pode chegar a ser muito agradável.

Guilherme, me continua sendo curioso que este tema exijas argumentos baseado em estudos científicos, e que em outros momentos não os tenha exposto ou encomenda. Eu acho que para poder opinar não basta tê-lo testado há três anos, mas trabalhar durante três anos. Não entendo porque não se vale (mesmo que seja para colocar em dúvida os conhecimentos existentes) a experiência e práxis de diferentes profissionais.

Por último, peço, por favor, não se culpe e sentencie de um assassinato à arma de fogo, teremos que procurar quem atira.

Com isso quero dizer que a tecnologia EMS Integral, de ser usado com bom senso, com a ciência de base, como pode ser a biomecânica, e complementada sempre com “exercício tradicional”, seja sobreposta ou combinada, é uma ferramenta extremamente poderosa e boa para o profissional do exercício físico e saúde; que a má publicidade que possam fazer diferentes marcas, franquias, treinadores, etc… Não vamos por os pavimentos de uma tecnologia assim. Estou de acordo que farão falta de estudos e de tempo para mostrar que algo tem resultados positivos a longo prazo, já que você tem muito pouco tempo de curso.

Eu por agora só posso falar pela minha experiência, e eu estou 100% convencido de que FUNCIONA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *