De Nicarágua e Colômbia – Colorado on the road

Etapas: 12/11/2014 Libéria – pampilho-espinhoso de Punta Arenas (104 Km). 13/11/2014 pampilho-espinhoso de Punta Arenas – San José (117 Km). 14/11/2014 Descanso em San José….

Etapas:

12/11/2014 Libéria – pampilho-espinhoso de Punta Arenas (104 Km).

13/11/2014 pampilho-espinhoso de Punta Arenas – San José (117 Km).

14/11/2014 Descanso em San José.

15/11/2014 Descanso em San José.

16/11/2014 Descanso em San José.

17/11/2014 São José – Turrialba (84 Km).

18/11/2014 Turrialba – Cahuita (138 Km).

19/11/2014 Descanso em Cahuita.

20/11/2014 Descanso em Porto Velho (22 Km).

21/11/2014 Descanso em Porto Velho.

22/11/2014 Descanso em Porto Velho.

23/11/2014 Porto Velho – Almirante (88 Km) (Entrada em Panamá).

24/11/2014 Almirante – Rambala (74 Km).

25/11/2014 Rambala – Chiriqui (87 Km).

26/11/2014 Chiriqui – São Félix (93 Km).

27/11/2014 São Félix – Santiago (124 Km).

28/11/2014 Santiago – Penonomé (101 Km).

29/11/2014 Penonomé – Panama City (153 Km).

30/11/2014 Descanso no Panamá.

01/12/2014 Descanso no Panamá.

02/12/2014 Panamá – Colón (100 Km).

03/12/2014 Viagem de Colombo – Cartagena das Índias (FerryXpress).

04/12/2014 Chegada a Cartagena de Índias (Colômbia).

Costa Rica e Panamá

Deixar para trás a Nicarágua deveria entrar em um país que me oferecia mais condições de segurança. Durante três etapas pedalei para San José, muito mais relaxado na hora de encontrar acampamento e despreocupado pedalar por algumas horas na noite, mas avançar pela Costa Rica não foi nada fácil. Tem tantas colinas que eu apodaría Costa Rica.

A chegada a San José me reservou uma grande notícia. A locutora espanhola do programa de rádio ADN Hoje, Eva Moreno, eu estava esperando para ver o que é mais, me levava à espera de que eu fiz a primeira entrevista com ela, quando eu estava na Índia, 9 meses atrás.

Chegar a casa de Eva na quinta-feira à noite e me recebeu junto à Borja, seu parceiro, e seu cão Clifor. Depois de entrar para o dia, uma boa ducha e recarregar o depósito com uma ovípara jantar, tocava repor forças para acordar cedo e acompanhar a Eva a seu trabalho, para entrar ao vivo no programa de rádio. Até o momento, já havia feito dezenas de entrevistas ao vivo por telefone, mas nunca tinha ido a um estudo. Foi uma experiência totalmente nova e passados os suores frios do princípio, eu comecei a sentir cada vez mais confortável. Uma vez que terminamos, eu estava falando com um jornalista do jornal A Nação, respondendo a suas perguntas para publicar um artigo de meu projeto. Terminada a breve manhã de trabalho, tocava voltar para casa para organizar, lavar todo o equipamento e reparar algumas falhas.

foto1costarica

(Colorado On The Road”, no programa de rádio ADN Hoje)

O sábado amanheceu com um dia perfeito. Eva e Borja me ensinaram a cidade e seus arredores tendo um dia tranquilo de turisteo, e no domingo visitamos Cartago. Apesar de ter mil coisas que agradecer a espanhola casal por abrir as portas de sua casa, em minha mente só é capaz de se lembrar, a tremenda omelete de batatas que cocino Eva e que me transporte para a minha infância de um bocado.

Segunda-feira, antes de realizar uma entrevista em directo para os 40 Principais Costa Rica, e uma vez adquirido o hábito de chamar os da costa rica “Ticos” e dizer adeus com um feliz “Pura vida”, era hora de voltar ao asfalto para alcançar o Mar do Caribe.

foto2costarica

(Colorado On The Road em los 40 Principales Costa Rica)

Invertí dois dias para chegar à costa e passei a primeira noite nas montanhas de Turrialba. Com o final da segunda etapa chegue a Cahuita e me hospedar no camping Maria. Instale o acampamento na mesma costa caribenha com a intenção de mudar a Porto Velho pela manhã, mas, logo que amanheceu, foi-me impossível não ficar um dia puxado dorme. Além disso, as histórias de Maria eram incríveis, se havia percorrido meio mundo junto a seu ex-marido americano e tinha vivido em quatro continentes.

foto3costarica

(Mar Do Caribe)

Antes de voltar a pedi para fazer uma foto juntos para lembrar a tão carismática mulher, e ela me pediu em troca que eu assinasse o artigo que saiu no jornal falando sobre o meu projeto. É uma honra fazer parte do muro da fama de seu parque de campismo.

Porto Velho, não ficava longe, apenas 20 quilômetros de distância. Fui direto para o Hostel Rockin Js e voltei a instalar o acampamento. Durante o fim de semana que eu vivi lá me deixar levar pela filosofia rastafari, desfrute da praia, a areia e o sol, eu compartilhei grandes e bons momentos com outros espanhóis e conheci pessoas de outros lados do mundo, me acostumar com o cheiro dos cigarros de erva boa e todas as manhãs eu me senti feliz por estar ali.

Com tanta calma e relaxamento, o corpo quase esquecido a sensação de cavalgar o asfalto, assim, sem mais rodeios retomar a viagem e com o olhar posto em Panamá City. Cruzar a fronteira foi algo surpreendentemente novo, já que a união entre a Costa Rica e o Panamá é uma ponte antiga com o solo formado por tábuas quebradas e com aberturas nos que, sem dúvida alguma, uma pessoa pode cair ao rio Milho. Nunca me irei dormir sem conhecer algo novo.

foto4costarica

(Fronteira entre a Costa Rica e Panamá)

Pela frente tinha 7 etapas para cruzar a costa do Atlântico ao Pacífico, pedalando 630 quilômetros de montanhas e colinas, até finalmente chegar à capital panamenha. Nos últimos quilômetros, o terreno melhoro, quase ao mesmo tempo que a estrada empeoro. O alargamento da estrada pan-americana ralentizaba todo o trânsito de veículos pesados, assim que eu tive que levar com paciência.

A chegada ao Panamá City foi gloriosa. Depois de vários dias de luta, a estrada se transformou em uma auto-estrada iluminada, com 3 faixas de rodagem e bermas onde perfeitamente cabria um elefante. Cruzei a Ponte das Américas, atravessando o canal do Panamá, e vem para a cidade mais moderna e desenvolvida de todo o brasil.

Antes de sair de San José, Borja me deu o contato de um amigo de infância que mora no Panamá, Gonzalo. Quando, depois de 7 dias se abrem as portas de uma casa escutar uma música angelical ao cruzar o limiar. Gonzalo eu tinha tudo preparado para que simplesmente me dedicar a relaxar e trabalhar o fim de semana. Mas por mais cansado que estivesse, nem de brincadeira ia perder a visita a uma das maiores obras da engenharia.

foto5costarica

(Chegada noturna em Panamá City recebido por Gonzalo)

A meio da manhã pusemos a caminho das eclusas de Miraflores, e chegamos feira quando um navio de carga ia ser elevado até o nível do Lago Gatún. O navio entrou na comporta com uma margem de separação entre as paredes de apenas 1 metro, enquanto era conduzido por locomotivas de ambos os lados. Quando se fecharam as comportas o nível da água começou a subir, usando apenas a força da gravidade. O imenso cargueiro, demorou apenas alguns minutos para elevar-se acima do nível do mar e mergulhar no Lago Gatún. Durante todo o processo, eu não podia desviar a vista nem um único segundo. Mais tarde visitamos o museu com toda a história da construção do canal do Panamá, eu senti que tinha voltado à escola.

Meu último dia na casa de Gonzalo o invertí em trabalhar com o computador, e na manhã seguinte, fui com a bicicleta para me despedir do skyline de Panamá City. Meu próximo passo seria chegar nesse mesmo dia até a cidade de Colón, na costa atlântica.

foto6costarica

(Colorado On The Road em Panamá City)

Logo que cheguei a cristóvão Colombo, a minha primeira impressão foi a de entrar em um completo subúrbio da cidade. A idéia de acampar nem me passo pela cabeça e eu fui direto para um Motel. Sinceramente parece-me um desequilíbrio social que a apenas 70 quilômetros de uma cidade da importância econômica de Panamá City, está abandonada a cidade de Colombo.

Desde há algum tempo, circulava o rumor de que a abertura de uma nova linha de transporte entre o Panamá e a Colômbia. Muitos foram os viajantes que temos esperado a que está oferecendo essa oportunidade para se conectar Centro com a américa do Sul, e, finalmente, no início de Novembro, o FerryXpress já era uma realidade. A única desvantagem é a pouca informação que existe na rede, sobre as condições de viagem da empresa.

Quando cheguei ao porto me notificaram que a minha passagem custava 99 dólares, um preço justo para tão longa viagem, mas meu cavalo, mas a minha bagagem extra que deveriam ir no porão, estavam costarme um total de 150 dólares a mais. Não tinha nem pela dica essa quantidade de dinheiro na época, e mesmo que tivesse não me agradava a idéia de pagar essa soma de dinheiro, mas foi então que conheci o Oscar.

Em frente meu junto com o escritório de informação, havia um senhor de aparência amble que de seguida se aproximar a puxar conversa comigo. Oscar viajava na carrinha para a Argentina, Costa Rica e devia pagar 300 dólares por veículo, independentemente de o levar para dentro, o peso não era problema.

Bucéfalo viajaria para dentro da carrinha de Oscar, juntamente com todos os meus alforjes ahorrándome, assim, os us $ 150 e ganhando um amigo a bordo. Sem a sua ajuda não poderia ter embarcado naquele dia contra a Colômbia.

foto7costarica

(Oscar ao lado de sua van carregando a Bucéfalo)

Às 19:00 já estávamos todos a bordo preparados para passar uma noite, navegando no mar do Caribe. A viagem foi tranquila e, pelo menos, pude ter o gesto de convidar o meu novo amigo, a umas cervejas enquanto conversávamos no convés do navio.

Estava deixando para trás a américa Central e com isso estava dando meia-volta ao mundo, estava a ponto de fazer terra na américa do Sul e iniciar a primeira grande etapa da viagem. Até a data, havia pedaleado 31.000 quilômetros por 26 países e vivido 14 meses de aventura, mas não é o momento para olhar para trás, mas de enfrentar todos os desafios que ainda estão por vencer.

“Basta olhar para trás para valorizar tudo o que temos sido capazes de fazer, e bem gostosas energias para seguir em frente com mais força”

foto8costarica

(Colorado On The Road antes de fazer a terra na Colômbia)

Entrevista no programa de rádio ADN Hoje:

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *