Como chegar a ser um bom personal trainer e viver disso

Muita gente me pergunta o que deve fazer para se tornar um personal trainer e poder viver disso. Pois vamos lá. Há 12 anos, quando comecei a…

Muita gente me pergunta o que deve fazer para se tornar um personal trainer e poder viver disso.

Pois vamos lá.

Há 12 anos, quando comecei a trabalhar como personal trainer em Valência, era muito mais simples, mas também era uma profissão muito pouco conhecida. É mais, havia uma certa tendência para considerala como algo desnecessário.

Atualmente, o mercado tem crescido, e se dá a curiosa situação de que alguns treinadores têm muito trabalho e muitos outros, em troca, lhes custa uma barbaridade obter um único cliente.

Esta enorme oferta de treinadores vem, em parte, provocada pela falta de critério na hora de determinar quem está capacitado para exercer a profissão e quem não. Qualquer um pode fazer uma t-shirt que coloque PERSONAL TRAINER e já que estamos a algumas cartas.

Sempre digo que, na maioria dos casos, o mercado acaba expelindo a quem não está capacitado para exercer a profissão. O único problema deste sistema é que possam danificar ou prejudicar gravemente a algum cliente antes que isso aconteça.

Se bem é certo que uma licenciatura ou grau em ciências da atividade física e o esporte representa um bom começo, uma base, nem esta nem qualquer outra titulação universitária implica, a meu entender, uma garantia de formação profissional.

Se duvida, perguntai a qualquer profissional de sucesso que porcentagem de sua situação e considera que é de responsabilidade de tudo o que foi aprendido na universidade. Se pergunto a todos os meus clientes e nunca recebi uma resposta superior a 20%. Nem mesmo em profissões tão teóricas como advogado ou notário. Considerar que, uma vez terminada a corrida, já sabe tudo o que precisas de saber é, certamente, o maior erro que você pode cometer.

FORMAÇÃO TEÓRICA

Além de educação, empatia e um mínimo de cultura que possa amenizarle o treinamento ao cliente, a formação básica teórica que todo treinador deve ter se baseado em três grandes pilares. Fisiologia, biomecânica, e teoria do treinamento. Desta forma você pode adquirir uma boa formação estudando cada uma das disciplinas separadamente, ou cursando algumas das titulações que já levam incluído no seu plano algo de cada uma destas três matérias, tendo em conta que, neste caso, a formação em cada uma delas será menor.

No caso de ser intitulado o graduado em Ciências da Atividade Física e o Esporte, não pode deixar de lhe recomendar o Mestrado em alto rendimento do Comitê Olímpico Espanhol. A disciplina de fisiologia e de treinamento de força é do melhor que tenho lido, sobretudo esta última. Se preferir optar por uma titulação específica de treinamento de pessoal, as existentes e as que se podem estudar neste país, fico com a NSCA, mesmo quando nada tem que ver com o trabalho que exercem em seu país de origem. Este organismo possui dois cursos: “Certified Personal Trainer (CPT)“, a mais básica das duas, mas a única que se pode aceder em caso de não dispor de uma qualificação de nível superior ou grau, e “Certified Strength and Conditioning Specialist (CSCS)“, a melhor das duas, também a mais complicada, e o que lhe interessa em caso de dispor de um nível de educação superior universitária. Evidentemente, se você não olhar treinado para saltar diretamente para o CSCS também pode começar pelo CPT.

Caso queira se concentrar em cada uma das matérias mencionadas acima, infelizmente, no que se refere à fisiologia e teoria do treinamento, deverá se tornar, com livros específicos que podemos recomendar no fórum de fitness de Mens Health.

FORMAÇÃO PRÁTICA

Infelizmente neste país se perdeu a tradição de formação prática. As práticas em empresa se reduzem a uma série de setores específicos onde, além disso, em vez de formar o utilizam como mão-de-obra barata. A figura do mentor, aquela pessoa que mesmo chega a pagar para trabalhar ao seu lado e ter o direito de perguntar o por que das coisas, é uma espécie em extinção. Esta figura está presente nos EUA com programas denominados “Mentorships“, onde basicamente se busca aprender com a experiência de alguém que leva toda uma vida dedicada a uma determinada profissão. No caso de estar interessado, do meu ponto de vista os melhores relacionados com o desempenho atlético, são levados a cabo em Boston no MBSC (Michael Boyle Strength and Conditioning), ou em qualquer um dos centros que tem Athletes Performance espalhados pelos EUA. No caso de que seu objetivo é reduzir ao treinamento de hipertrofia e força, talvez melhor se você optar por mentorships de Charles Poliquin. Evidentemente, ao se desenvolver nos EUA necessita de um nível mínimo de Inglês, para que valha a pena. Acha que todo o programa se resume a palestras e discussões onde o volcabulario técnico e slang praticamente um livro sobre o total da conversa.

No caso de querer aumentar ainda mais a sua formação prática, estes centros dispõem de bolsas de estudo “estágios e cursos“, onde, no caso de ser selecionado, você estaria trabalhando nesses centros ao lado dos melhores treinadores do mundo, aprendendo a cada dia de sua experiência. Não se exagero se eu disser que uma semana trabalhando em um destes centros é equivalente a um ano na universidade em relação à formação que realmente útil e aplicável se refere.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *