Cardio interválico contra cardio aeróbico

É uma das perguntas do milhão, e não tem uma resposta fácil. É mais, sei que por muito que tenha sempre eu vou…

É uma das perguntas do milhão, e não tem uma resposta fácil. É mais, sei que por muito que tenha sempre eu vou ficar curto, porque dá para falar muito e muito técnico, mas aqui vão algumas idéias básicas necessárias.

Com o treinamento aeróbio, procuramos eliminar calorias, sem perder o limiar aeróbico para ter certeza de que estamos obtendo a energia das gorduras acumuladas. Os processos químicos destinados a obter energia a partir das gorduras exigem uma presença de oxigênio suficiente, e se nós aceleramos o ritmo demasiado nos faltará oxigênio e bloquear essa via, a partir desse ponto o corpo trabalhará anaeróbicamente para obter a energia do glocógeno. É fácil.

Prós: praticamente só consome energia proveniente das gorduras, é mais descontraído, não é preciso estar em forma para colocá-lo em funcionamento.

Contras: não ajuda muito a melhorar o sistema cardiovascular, requer mais tempo para eliminar menos calorias.

Pelo contrário, o exercício interválico é aquele em que se muda de intensidade e se levantam as teclas a ritmos muito elevados, próximos a 90%, em trechos relativamente curtos, como de um, dois ou três minutos, e em seguida diminui o ritmo para recuperar as batidas em níveis confortáveis, para voltar a subir e assim por diante. Os picos de intensidade e as fases de descanso podem variar em intensidade e tempo. Com este treinamento você ganha, por um lado, uma importante melhoria em todo o sistema cardiorrespiratória e, por outro, consegue-se reduzir o tempo de treino para queimar as mesmas calorias. No entanto, essas calorias não provêm exclusivamente das gorduras. Mas, em troca, o fato de ter sido o corpo a um esforço mais intenso faz com que as teclas fiquem elevadas depois de ter terminado o exercício, podendo chegar nesta fase de recuperação, até as duas horas, ou seja, seu corpo estará mais tempo a queimar calorias do que o estritamente dedicado ao exercício.

Prós: você precisa de pouco tempo, queima muitas calorias, as pressões residuais queimar muita gordura, melhora os sistemas cardiovasculares e respiratórios. Eleva o limiar aeróbico, permitindo que em posteriores sessões nosso corpo a queimar mais calorias provenientes das gorduras.

Contras: é mais estressante e cansativo, provoca mais fome do que o aeróbio, requer um estado de forma para praticá-lo, consome muito glicogênio, a energia de que usaríamos para os pesos.

Perante a pergunta ” o Que é melhor? Respondo, como quase sempre, que a variedade é a virtude. No entanto, há que ter em conta que tipo de pessoa estamos falando, um novato não lhe pediria para que ele trabalhasse interválicamente, e uma pessoa treinada você recomendaria que fizesse um treino de cada tipo.

Por favor, não me façais perguntas de casos pessoais, pois além de não poder atenderlas todas, se precisa de muita informação e estudo rigoroso para dar uma resposta correta para determinada pessoa, do contrário, seria pouco profissional. Sobre as questões ou temas gerais que mais vos interessam, vou escrever em breve e de forma ordenada. Todos os posts que contenham propaganda serão excluídos. Obrigado. Mais informações no Twitter @Juanrallo1

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *