Experiências de um espartano – Até a falha, e mais além

A Reebok Spartan Race é uma corrida de obstáculos para os verdadeiros espartanos. Conheça os diferentes estados mentais que se podem viver nela.

espartano

Este fim-de-semana realizou-se a Reebok Spartan Race em Barcelona (Les Comes), desta vez foram cerca de 6.000 espartanos que se retaron a si mesmos, dotados de uma grande força mental capaz de vencer qualquer dificuldade que propõe esta dura e imprevisível prova. E eu quero explicar a minha experiência pessoal na maior corrida de obstáculos do mundo, diferenciando os estados mentais e emocionais que vivem em uma competição em equipe e outra individual.

Corrida por equipes

No sábado (10 de outubro), fiz a prova por equipes. Nos reunimos na tenda da Reebok um grupo de 11 espartanos/as, atletas com características muito diferentes e de diferentes níveis. É importante lembrar que o objetivo primeiro de um computador deve ser alcançar uma boa coesão grupal. De fato, as interralaciones pessoais dentro de um grupo são determinantes para o bom funcionamento deste e, por conseguinte, para alcançar os objectivos fixados. Precisamente por isso, cada componente faz sua particular contribuição dentro do âmbito psicológico do grupo. E esta pode depender do estado de espírito, do papel que tem que desempenhar dentro do grupo ou mesmo da preparação que possui.

Estas relações têm que aproximar a todos os membros e canalizá-los para um mesmo interesse, assim como também a sentir-se satisfeitos de pertencer ao computador, isso incentivará a adaptação ao grupo. Apesar das diferentes personalidades integrantes, todos os componentes são importantes e suas contribuições individuais aproximam-se do grupo ao sucesso.

Tentei socializar-se o máximo possível com meus companheiros de equipe antes da competição e durante também, já que não os conhecia pessoalmente. Obter vez que oferecer informação era fundamental para ter alguma referência em relação aos nossos pontos fortes e fracos. Lembro-me de uma prova de equilíbrio, em que tínhamos que atravessar um grande charco de lodo através de dois troncos paralelos por casais, agarrados com as mãos. Meu companheiro, eu sabia que não era o meu forte, lembro-me de suas palavras: “Olhe nos meus pés; que precisamos flexões um pouco mais o seu quadril; devagar; resta-nos pouco e vamos conseguir“. E em poucos segundos, nos abraçamos comemorando o sucesso da prova.

Vivemos situações semelhantes a esta constantemente com todos os membros da equipe, trocando os papéis.

Em um computador, o feedback positivo e focado na tarefa é fundamental para atingir o sucesso. Dessa forma, também superamos o último obstáculo. Então, nós pegamos as mãos e pulando a área de fogo nos parabenizamos pelo ótimo trabalho grupal que tínhamos feito. Nesse dia eu fui com a sensação de ter feito parte de uma grande comunidade e de ter feito grandes amigos.

Carreira individual

No domingo (11 de outubro) competí a sós e eu organizei minha estratégia psicológica de forma bem diferente. Embora, no momento do aquecimento antes da partida, encontrei gente conhecida, apenas lhes saludé e lhes desejei sorte, mas a partir desse instante, me concentrei estritamente na minha própria tarefa. Meu principal premissa era que a única referência era eu mesmo e meus próprios sentimentos.

Certo é que em um momento de cansaço usei como modelo a seguir a um atleta. Eu estava introduzindo o equívoco e foi nesse momento quando eu repeti constantemente a mensagem que eu tenho interiorizado desde há muitos anos: “Tu és o rival a bater”. Então, foram aparecendo outras mensagens como: “você Sente um cansaço lógico do momento”; “você já pronto e é capaz de fazer melhor e você vai fazer”; e muitos assim. Te garanto que a mudança de mentalidade funcionou perfeitamente.

Eu vivi o momento mais crítico durante uma fase da corrida, durante um trecho de algo longo e o que deveria carregar alguma inclinação muito exigente. Comecei a pensar no cansaço, as dores de costas e no escorregadias que começavam a ser o meu tênis. Mas de nenhuma maneira podia deixar-me esse autodiálogo tão negativo!

Levantei a cabeça, o sol dava-me na cara, a temperatura era agradável, estava divisando o incrível ambiente natural que me rodeava. Senti um estado de libertação total, estava só comigo mesmo. Foi então que, pouco a pouco, consegui encontrar o equilíbrio entre a minha situação pessoal e o meio que me rodeava. Eu comecei a gostar. Incrível, mas passei de estar no meu pior momento, a fluir com tudo o que estava vivendo, recuperar meu ritmo, e sentir uma enorme felicidade por tudo o que estava experimentando.

A partir desse momento, a única coisa que sentia era grande curiosidade por saber qual era a seguinte situação que estava a viver, estava motivado não por acabar a corrida, se não por seguir enfrentándome ao meio, os obstáculos da Reebok Spartan Race e a mim mesmo. Voltei para chegar à meta, pela segunda vez, no mesmo fim-de-semana, desta vez com um grande sentimento de superação pessoal.

Facebook Comments

Desculpas e mitos sobre o exercício físico

Vivemos em uma sociedade em que os indivíduos de sucesso são vistos muitas vezes como “o inimigo”. Parece que quem se cuida causa…

desculpasVivemos em uma sociedade em que os indivíduos de sucesso são vistos muitas vezes como “o inimigo”. Parece que quem se cuida causa dúvidas entre a maioria: os que não o fazem. A sociedade nos coloca difícil, eu sei. Aqui você expor algumas desculpas e pretextos míticos, com sua posterior resposta.

Desculpa 1: O exercício físico é uma bobagem

É a Henry Ford, o fundador dos carros Ford, a quem atribuir esta frase, sem desperdício algum. Evidentemente, não há por onde pegá-la: fazer exercício físico é necessário para desfrutar de uma boa qualidade de vida. Saúde não é apenas ausência de doença, mas sim um equilíbrio entre o físico, mental e social”, segundo a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS). Por sorte, Henry Ford deixou melhores frases para a história: “se você acha que pode, você está certo”.

Justificativa 2: o Meu avô tem 95 anos e não tem cuidado nunca

Quem já não ouviu isso alguma vez. Bem, eu gostaria de fazer uma comparação muito gráfica: Imagine que alguém quer atravessar a blinds uma rua movimentada quando o sinal está verde para os carros, como pode essa pessoa a atravessar a rua sã e salvo? Talvez sim, mas as chances de sofrer danos são altíssimas. Bem, se alguém acredita que lhe tocou a loteria genética e quer jogar este jogo perigoso, vá em frente. Embora, eu não acho que seja a melhor opção, já sabemos que não são os anos que viva, mas como os vivas. Outra vez, faça exercício físico, entre em contato com gente saudável, comer de forma saudável na maioria das vezes e descanse as horas mínimas humanas (o dia tem 24 horas, não 36).

Desculpa 3: eu Não gosto de academias de ginástica

Acho que tenho um pouco mais de 5 anos sem pisar em uma academia convencional, do tipo que qualquer um pode imaginar. E garanto-vos que se pode estar tão em forma e vital, além de ter uma boa imagem, fora de uma academia convencional. Você pode treinar em sua casa, em uma piscina, em um parque, na praia ou montanha, em função de onde vivais, em ginásios de esportes não convencionais, como de CrossFit, Yoga, Pilates, centros dedicados apenas para as atividades dirigidas de todos os tipos (zumba, tonificação, cardiobox, etc.). E se vos podeis permitir, investir em um personal trainer, ao final invertiréis em sua saúde e, uma vez aprendais o ABC que vos vem bem a vós, podereis aprender como treinar em mil lugares e com diferentes recursos para toda a vida, além de enfrentarem juntos, em um futuro, a entrar para uma academia convencional, cheio de gente em horas de ponta.

Desculpa 4: eu Vou sempre muito cansado

Uma semana tem 168 horas, você não pode dedicar pelo menos 3 ao exercício físico? Eu não o creio. É uma questão de querer mudar e, depois, de agir para mudar. Te garanto que custa o mesmo fazer as coisas bem, e que fazê-las mal. Somos seres de hábitos. Mudar um hábito é difícil no princípio. Mas uma vez você instaurado costumes positivas para a sua saúde, não custa nada ter hábitos de vida saudáveis e, pelo contrário, vai ser difícil fazer as coisas mal.

Desculpa 5: Não tenho nenhum centro de fitness próximo

Talvez, a sua prefeitura esqueceu a Carta Europeia do Desporto para Todos , de 1975, que obriga a destinar fundos públicos para que todo habitante disponha de instalações desportivas/públicas próximas ao seu local de residência. Não vou entrar em mais detalhes “político-burocráticos” para os tempos que correm. Mas vou te dizer que, mesmo se a sua câmara se esqueceu de esta carta, pretendo ser irônico absolutamente), hoje em dia há informação suficiente para saber treinar em casa com todo o tipo de material alternativo, com o seu próprio corpo, em parques urbanos e até em seu próprio local de trabalho, escritório, escritório ou onde quer que seja. Além disso, conta sempre com baixar um ou dois pontos antes do ônibus ou metrô e caminhe, ande de bicicleta, se preferir, e suba as escadas de sua casa, em vez de pegar o elevador.

Euforia Ultra Trail Andorra – Como enfrentar uma corrida de 230 km e 20.000 m+

Dicas para enfrentar uma corrida de trail running de 230 km e 20.000 m+. A Euforia Ultra Trail Andorra 2017 a 4 meses vista.

Há alguns dias os explicava a importância de dividir os desafios em estágios. Hoje vou colocar um exemplo prático e, acima de tudo, muito próximo. Tanto, que só de pensar me doem os pés. Este 2017, meu amigo Pol –ele é o culpado de tudo– e eu temos apontado para a Eufòria Ultra Trail Andorra, uma corrida-travessia a pé em regime de semi-auto-suficiência de 230 km e 20.000 metros de ascensão acumulada , que percorre de uma única rodada praticamente todas as montanhas de Andorra. O curso é tão abrangente, que quando você estuda o mapa da rota parece que você está costurando um botão.

Metáforas à parte, a Eufòria se apresenta a si mesma como “ultra raid” e terá lugar de 4 a 9 de julho de 2017, dentro da grande festa do trail running dos Pirinéus, em Andorra Ultra Trail Vallnord, que inclui provas de distâncias diferentes: os 10 km da Solidaritrail, os 42 km do Marató dels Cims, os 83 km da Celestrail, os 112 km da Mític, os 170 km da Rodada dels Cims e os 230 km da Eufòria. O que uma semanita!

Vídeo de apresentação da primeira edição da Eufòria dels Cims.

UM ITINERÁRIO DE ESPÍRITO ALPINISTA

A diferença do resto de provas, na Eufòria o itinerário não está marcado, pelo que há que saber orientar-se com o mapa e/ou GPS. Além disso, trata-se de uma rota de espírito alpinista que coroa 5 cumes de mais de 2.900 metros e outros 32 picos ou outeiros de entre 2.500 e 2.900 metros, resultando em uma altura média de 2.200 metros ao longo do curso, com 97% do traçado por singletracks e apenas 3% de pistas ou caminhos largos.

Também ao contrário das outras corridas, em Eufòria não existem postos de refresco cada poucos quilômetros, líquidos ou sólidos, pelo que os participantes devem espabilarse para conseguir água –potabilizándola dos riachos, se há falta– e carregar com rações alimentícias para não cair entre um “banco de vida” e outra, que se distanciam cerca de 50 km de distância umas das outras.

Sem dúvida, para nós, a Eufòria será o grande desafio do ano. Primeiro vamos ter que treinar duro e depois precisaremos de muita sorte em inúmeros aspectos. Mas a ilusão não nos falta. E isso é primordial.

Euforia Ultra Trail Andorra

EQUIPAMENTO OBRIGATÓRIO E REGULAMENTO

Ontem Pol e eu nos reunimos para estudar o curso e o regulamento e, de passo, tomar umas cervejas. Há que reconhecer que ler a letra pequena nos ajudar com algumas surpresas, como que sim é permitido receber ajuda externa fora das “regras de vida”. Neste ponto, embora pareça pouco relevante –e, no nosso caso, nada relevante–, acreditamos que resta atrativos para uma prova desta natureza, pois promove a presença de equipas de assistência, motivando diferenças nas estratégias de equipamentos, em função de se dispõem ou não de familiares ou amigos que possam ajudar na carreira.

Surpresas à parte, nós marcamos uma primeira estratégia e planejarmos o calendário de treinamentos.

Euforia Ultra Trail Andorra 2017

Nosso objetivo é óbvio: completar o percurso dentro do limite de tempo marcado pela organização (5 dias e 4 noites). A tática, também: analisamos o perfil e a situação das quatro bases da vida” que existem ao longo do curso, que serão os únicos pontos de “abastecimento” oficiais, e decidimos dividir a prova em 5 sub-setores ou “etapas”.

Restam quatro meses inteiros para nos preparar. Mais de um nos disse que estamos majaras –eu nunca fiz um ultratrail antes–, mas temos a experiência de Pyrenees Stage Run e de outras travessias a pé que tinha que carregar muito mais peso, e, o mais importante, sabemos que formamos um bom tandem –em uma prova de equipe é algo fundamental– e temos muito claro que compartilhamos sonhos e objetivos.

Euforia Ultra Trail Andorra

Por isso, a partir de agora, uma vez por mês faremos uma saída juntos, ao ritmo que teremos que levar em Eufòria, de entre 24 e 48 horas, com a mochilita às costas, olhando para o mapa e racionando água e comida. Não me ocorre um plano melhor para desfrutar da iminente primavera!

Nós manteremos vocês informados!

Comentários Facebook

Estudos científicos, a exame – O blog de fitness

Faz um tempo que leio e ouço por todos os lugares em que há um estudo que demonstra isso ou aquilo outro. Às vezes há quem afirma ter…

scientist_430Faz um tempo que leio e ouço por todos os lugares em que há um estudo que demonstra isso ou aquilo outro. Às vezes há quem diz ter lido algum que demonstra algo e quem diz o contrário. A isto há que acrescentar que, sempre que nos apresentam um novo produto, sistema de treinamento ou dieta garantem estar apoiado por um estudo que, em muitas ocasiões, até mesmo dizem estar depositados perante o notário. Alguém já ouviu alguma vez a um fabricante indicar onde podemos encontrá-los? Ou será que é este o notário? Além disso, Desde quando são depositados em cartório no lugar de ser publicados em um Jornal científico?

Se querem saber o que há de verdade em tudo isso, de quem fiarte e quem te engana vilmente insisto em que você pesquise, procure, solicitar o estudo que mencionam e lhes passes o seguinte teste:

1.- Existe? Caso a resposta seja afirmativa, Em que o Diário foi publicado? Será que é confiável?. A credibilidade dos estudos é medido em níveis. Confia no somente aqueles com nível I, e pegue com uma pinça o que dizem os de nível II. Praticamente podes esquecer-te de os de nível III.

2.- Foi realizado com seres humanos ou animais? Muitas vezes, para não dizer a maioria, os estudos em que se baseiam os produtos e sistemas novos foram realizados em animais, normalmente em ratos. Isso não tem nenhuma validade, pois a imensa maioria de produtos ou tratamentos têm efeitos diferentes em humanos. Um exemplo seriam os novos sistemas de jejum intermitente (intermittent fasting). A dieta das 8 horas é seu carro-chefe. Seus criadores garantem que os resultados são avaliados por um estudo e quando você toma o incômodo de procurar, encontrar-se realizado com ratos. Isso acontece constantemente.

3.- E o tamanho da amostra? Qualquer um que tenha estudado estatística em algum momento de sua formação acadêmica, seja no colégio ou na universidade, sabe que seu tamanho é fundamental. Uma amostra deve ser suficientemente grande para que possa ser considerada representativa. Quanto maior, menor a possibilidade de que os resultados sejam devidos a mais pura casualidade. Dito de outra forma, se tiro uma moeda ao ar 5 vezes a perna pegue e me saem 4 caras e uma cruz, e o que eu faço com as duas pernas apoiadas no chão, e ocorre o contrário, por pura coincidência, poderia dizer que há mais probabilidade de sair cara, se eu estou com a perna trave. É ridículo Né? Há estudos que não o são menos. É por isso que sempre é mais interessante, um Review, um sistema mediante o qual se cruzam os resultados de uma grande quantidade de estudos, que somente um deles.

4.- Metodologia e financiamento. Um estudo, mais concretamente, a sua metodologia, pode ser concebido desde o início para que saia um resultado ou outro, em função dos interesses de quem o financia. É por isso que sempre devemos olhar quem está por trás. Tomemos um exemplo: Muitos dos estudos que valorizam o ganho de força de um sistema ou produto utilizam como método de controle de uma máquina de extensão de joelhos e flexão de cotovelo. Se eu quiser que o resultado seja positivo, apenas eu tenho que colocar aqueles com pontas mais longas no grupo de controlo e a física se encarregará do resto ao contar com um braço de alavanca maior. A média do comprimento as pontas, nunca aparece no estudo.

CONCLUSÃO: Não acredite em tudo quando você diz que algo é apoiada por estudos científicos. Procure-os, analízalos, exprímelos ao máximo com o olho mais crítico e se não lhe encontrar armadilha ou cartão, seja prudente e espera por um review.

Comentários