As 10 regras do treino. Peso próprio e intensidade

Nesta nova entrada no blog, devido ao grande acompanhamento, que teve a primeira das 10 regras que todo treinamento deve seguir, eu…

Dominadasnesta nova entrada no blog, devido ao grande acompanhamento, que teve a primeira das 10 regras que todo treinamento deve seguir, eu decidi pendurar as duas seguintes, para que, assim, possa começar a aplicar toda esta informação e a ver os resultados que tanto ansiáis. Outra das razões que me fizeram plantearme a opção de pendurar duas regras seguidas é que têm muito que ver com a primeira de todas e a mais importante, MANTER A TÉCNICA. A primeira das regras tem que ver com os exercícios onde se move o seu próprio peso, enquanto que a terceira está relacionada com a intensidade de treino, fator determinante na busca da adaptação, que deve reger todos os nossos treinamentos. As regras seriam as seguintes:

2.-Não fazer exercícios com seu próprio peso, a não ser que disponha de um estado, de forma que se permita executá-los com uma técnica imaculada. O problema de exercícios como flexões flexões de braços, lunges, e a maioria de exercícios com um sistema de treino em suspensão, como o TRX, é que trabalhamos com o nosso próprio peso. Isto que, em princípio, parece ser a panaceia da funcionalidade, é apenas no caso de que você pode fazê-los corretamente, pois sempre tem a desvantagem de não poder diminuir o peso do seu próprio corpo voluntariamente, como faria com halteres, discos e barras, ou com um sistema de polias com placas. Sinceramente, posso dizer que entre atletas não profissionais posso contar com os dedos de uma mão a quantidade total de pessoas que tenho visto fazer flexões corretamente, no entanto parece que seja este o exercício que todo homem deve fazer nada mais entrar em uma sala de fitness. O engraçado é que um monte de pessoas que você deve ser capaz de realizar um movimento tão duro como as flexões, as executa incorretamente por ter automatizado, com o passar dos anos, um padrão de movimento errado. Quando eu tentar explicar como fazê-lo corretamente, você percebe que não são capazes de fazer nem mesmo uma repetição correta pela quantidade de vícios adquiridos. De quem é a culpa, neste caso? 50% do que lhe ensinou a fazer o movimento e supervisionou mais tarde, e 50% do próprio atleta para tentar fazer algo que nunca deveria ter tentado, até atingir um estado de forma adequada para a correta realização deste exercício.

3.- Se não pode, não pode. De acordo com o tipo de adaptação que nós devemos treinar em uma intensidade ou de outra, pois este fator determina a classe de fibras recrutadas e a resposta hormonal necessária para produzir a tão desejada adaptação. No caso de querer desenvolver uma força estaríamos falando de entre três e cinco repetições máximas, para hipertrofia entre oito e dez, e para resistência não menos de vinte. Isso significa que se você colocar um peso com o qual você só pode fazer 3 repetições e o restante até completar as oito-dez ajudam, você não está trabalhando com a intensidade adequada. Na verdade, essa série seria três repetições máximas, mais cinco forçadas que ninguém sabe muito bem para que servem, exceto que um culturista as fazia, e esse é o contou a outro, e assim até nos fazer acreditar que existe algum estudo que demonstra que isso serve para alguma coisa. Amigos, um companheiro serve para evitar que, em caso de haver sobrevalorizada nossa capacidade, não nos deixe cair a barra acima, ou preencha o pânico se estamos buscando-o, mas não para fazer mais e mais repetições e danificando as costas na tentativa. Sinceramente acho que não demora para ver quem se meta debaixo de um Range Rover e, em seguida, chame um caminhão pena para que o ajude a levantar oito vezes. O mais curioso é que de certeza que depois lhe pergunta se ela tem ajudado muito.

Em caso de acabéis de pousar neste blog, animo-vos a que iniciamos a partir da entrada anterior, onde falo sobre a primeira, e mais importante das regras. Pode aceder directamente neste link http://blogs.menshealth.é/fitness/2011/11/23/a-regra-1-que-todo-o-treino-deve-seguir/

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *