Ajudas ergogénicas: a ponta do iceberg

As ajudas ergogénicas entendidas como suplementos esportivos são úteis, mas para melhorar o desempenho há aspectos mais importantes…

Samudice: 01/04/2014 às 4:00 pm

Olá Fabiano.
Não teria imaginado jamais, porque dizer NÃO à Área (de riso) de acordo com a Associação Espanhola no link que citações acima… Estão muito enganados e te direi porque, ponto por ponto:
1.- Resultados mágicos e rápidos: Sabemos tanto tu como eu, que a maioria das pessoas não se incomodar em ler algo que “não promete”, hehehe, bem que hoje em dia se costuma cair neste erro grave, mas não acho que devemos ignorarle por este motivo. Para mim, isso não diz nada a respeito da dieta em si. Além disso, segundo pude ler, refere-se nada mais do que pessoas que tem um fatal estilo de vida, por isso que, nesse caso, de certeza que vai melhorar muito ao passar dos hábitos presentes na Área.
2.- A área não proíbe nada. Recomenda, em certa medida, priorizar alimentos favoráveis em relação a outros “desfavoráveis”, sim, mas não proíbe nada como tal… E em todo o caso, sabemos que assim deveria ser, visto que há alimentos melhores, de maior qualidade e outros algo pior ou, do contrário, não poderia haver pessoas que não come saudável ou que são obesos, etc., Não me lembro de que proíba o pão ou torradas, mas sim recomenda outras alternativas.
3. Mostra resultados de alimentos: Sim, mas não proíbe nada, como acontece com muitas outras dietas. Além disso, Barry Sears explica o porquê dos resultados e nos oferece bons sistemas para recalcular as relações entre macro, no caso optemos por fontes que, para ele, são, sem dúvida, menos interessantes. Ex: Vegetais e frutas chegar a 40% de carboidratos, devem ocupar ambiente 2/3 do prato; se se tratasse de: Macarrão ou arroz, devem ocupar metade do prato… Como você pode ver, Anabel, o arroz ou a massa contêm maior quantidade de carboidratos e, por isso, recomenda fazê-lo assim, não por que os proíba a serem mortais, como nos quer fazer ver essa Associação.
4.- Exagera o poder do omega3: Hoje em dia sabemos que é fundamental a sua relação com o omega6 e não acho que isso seja exatamente ruim. Todos temos gostos e preferências e Barry Sears, talvez lhe deixa louco o omega3 hehehe, mas daí a que, como dizem, querer meter os produtos Enerzona, é MENTIRA; em nenhum momento do livro diz que você tenha que comprar seus produtos para poder seguir a sua dieta Área. Além disso, o estilo de vida de hoje em dia, valoraría que se molestase em dar um produto prático e fácil de transportar… Agora Você já subido à videira? Sim, eu não o vejo muito bem, nesse sentido, mas isso não retira a credibilidade alguma.
5.- Em relação ao cálculo de proteínas: Não vejo ele sair, em nenhum momento o lógico, é mais, explica os porquês quanto o faz, como no caso de atletas de força que treinem com demasiada frequência, mas no resto grupos (pessoas normais), não vejo incongruências em parte nenhuma.
6.- Culpar os hidratos: Aqui em parte estou de acordo, dado que os demoniza um pouco, mas de qualquer forma, admitamos que a sua própria dieta contém mais calorias de hidratos de outras coisas… ou seja, ele prioriza alguns hidratos sobre os outros, mas não elimina de todo a nenhum deles, mesmo os que denomina como desfavoráveis; diz que há que procurar comer mais favoráveis. E tentar é só isso, buscar, se devemos comer os desfavoráveis, por alguma razão, o que fazemos e ponto.
7.- Desacreditar as leguminosas como possível fonte de proteína: Claro que não há em nenhum momento… Não se deram conta de que, para ele, há outras de maior qualidade e, além disso, prefere vê-los como hidratos e não ter muito em conta o aporte protéico destas. Também me lembro que explica que, em vegetais, é difícil que se chegue a tirar proveito de toda a proteína que contêm, mais que nada, devido a fibra, que, segundo ele, dificulta um pouco o aproveitamento: vai Me perdoar, Anabel, que não tem nem idéia se será verdade ou não, porque também não me preocupei em descobrir.
8.- Gordura em atletas de 60%: O dito, em atletas, e também explica muito, mas muito bem as razões disso. Não se fala de rebajarles as proteínas ou os carboidratos, mas aumentarles a gordura sobre o total… E daí que chegue a 60% do total, o que, a priori, parece uma barbaridade, mas não é… Além disso, não são gramas de gordura, mas de calorias de estas (e por cada grama são 9kcal, por isso nunca vai ser muito). Cita também que não se aumenta a gordura saturada. nem muda nada na poliinsaturada, só a estou apaixonado, porque é ela que sim aumentaria… E sabemos que é precisamente a menos perigosa de todas (e nos aracnídeos neutra). De todas formas, Anabel, faria APENAS em atletas, NUNCA em pessoas normais.
9.- Gordura saturada e colesterol: Você já viu o último post de Guilherme Azevedo? Pois léetelo e ver que surpresa você ganha das próprias Associações, hahaha, que chegaram a esconder estudos em que a gordura saturada não subia jamais o colesterol e até mesmo o barulho… Em troca, eles descobriram que eram os hidratos as que incrementaban exponencialmente; mas, é claro, os estudos esses, os que tinham guardado, de vergonha. Também se pôde ver em tais estudos, que a gordura ruim de verdade, é a omega6 (em altas quantidades, claro). Isso beneficiaria o próprio Barry Sears, ao anunciar tanto o omega3, devido a que mejoraríamos a relação com o omega6… Vamos, que eu jogo o rabo, literalmente, com os conselhos estes, da tal Associação… Não lhes faça muito caso, Anabel.
Saudações

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *