A Creatina Quinase (CK) e a sua influência no treino e o descanso

Creatina Quinase (CK), treino e descanso.

creatinao Que é a Creatina Quinase e como intervém no treinamento?

A CK (Creatina Quinase) ou CPK (Creatina fosfoquinasa) é uma enzima que catalisa (quebra, quebra, destrói) a fosfocreatina (o substrato energético de rápida utilização, localizado nas miofibrillas dos músculos). Como já comentei em outro post, o corpo tem várias fontes de energia, e usa umas ou outras, em função da intensidade e da duração do exercício que realizamos em nossos treinamentos. Se corre um sprint de 100m na planície, o seu corpo irá captar a energia diretamente do músculo, precisamente, a fosfocreatina, que, repito, ajuda a reduzir a CK.

Devo dizer-lhe, por outro lado, que a CK não é coisa só da musculatura esquelética. Também de outros tecidos e órgãos, como o coração, os intestinos e o cérebro. Evidentemente, a CK pode classificar-se em vários subtipos, mas não complicaremos o tema, já que o que eu quero é explicar o que acontece em sua musculatura esquelética quando se treina. A concentração no sangue de CK aumenta, principalmente, depois de fazer um treino curto e intenso, ou de um comprimento de média-baixa intensidade, seja na disciplina que seja (o ideal seria que fosse variada e progressiva). Quando treinamos, agredimos, prejudicamos, nós quebramos as microestrucuturas do sarcómero, que é o lugar onde se produz a contração muscular.

Valores normais e variações da CK

Entendemos por normais os valores que não excedem em torno de 80 U/l. Estes podem ser aumentadas e mantidas até 200 U/l por treinar de forma regular. É a partir de 300 U/l quando você pode começar a se preocupe, dado que começam a ser níveis demasiado elevados. Neste caso, o que você deve fazer é baixar a carga e volume de treino (Zintl, 1991).

Cabe destacar que o ponto mais alto de CK se alcança umas horas mais tarde, depois de seu treino e normaliza as 48h – 72h, dependendo de como tenha sido o treinamento que você fez. Em sujeitos treinados, habituados a certos estímulos e cargas de treino, estes valores podem ser harmonizados antes. Não esqueça que a CK elevada é um indicativo da destruição muscular, mas também podem representar danos a nível hepático, cardíaco e de outro tipo. Isso é coisa do médico. Mas também é coisa sua, quando você fizer um exame de sangue, avisar sobre se você treinou horas antes, como o faz e com que frequência. É importante destacar, também, que a maior massa muscular mais chances de apresentar valores mais elevados de CK.

Outros dados: Existem inúmeros estudos científicos e esportivos, em que se mostram, entre as 24h e 48h após provas, como maratonas,ultramaratones ou triathlon de longa distância, os valores de CK altíssimos e/ou arrepiantes. Em alguns casos de ultramartonianos, chegaram a registrar em torno de 1650 U/l em 24h/48H após a prova esportiva. Já sabemos que a realização de testes de longa distância não é saudável, se você tomá-lo como hábito, pois os valores muito elevados de CK respondem a um estresse físico não saudável, além de correr o risco de sofrer lesões musculares e outro tipo de patologias.

Conclusão

A creatina quinase (CK) não é o único parâmetro bioquímico que nos indica se estamos de acordo em que a intensidade e a freqüência de nossos treinamentos, assim como o pouco descanso entre os treinos. Por exemplo, entre outros parâmetros, também podemos medir:

  • DHEA-S: Hormônio produzido naturalmente pelo nosso organismo que atua no processo de reparação depois de “agreder” do nosso sistema nervoso central durante o treino.
  • HRV: Responde à taxa de variação/variabilidade de nossa freqüência cardíaca. Lembro-me que pouca variabilidade cardíaca é próprio de um sujeito que não é saudável. Em troca de uma variabilidade cardíaca moldável, adaptável, de acordo com a intensidade, responde a um coração saudável. Como conceito geral. Dado que cada caso é um mundo e é o cardiologista quem se encarrega de examinar a fundo estas questões.

Como você vê, o descanso e a combinação de intensidades em seus dias de treino é fundamental para se manter saudável e que seu corpo experimente níveis de condição física saudáveis. Treine forte, mas também descansa. E não treinar sempre na mesma disciplina esportiva, nem o faça sempre como se fosse a vida nisso. O treino regenerativo para intensidades médias/baixas, também é treinar. Até mesmo trabalhar a mobilidade articular de forma descontraída, respirando e se divertindo, em diferentes posturas de yoga, por exemplo, também é treinar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *